As tendinites de joelho

•25/10/2012 • Deixe um comentário

As patologias tendão simplesmente não acontecem de repente. O resultado final nós vemos quando alguém está com um problema crônico de tendão que de fato aconteceu a vários meses a anos antes que a dor realmente se apresente. Quando um tendão é submetido a uma carga excessiva, com fase de adaptação não suficiente, as células no interior do tendão começam a mudar. Estas células sobrecarregadas (que são sensívis a carga), em seguida, iniciam um processo de degradação do colagénio e da matriz extracelular (a cola em torno do colagénio) também começam a mudar. Assim, as células do tendão, tornam-se ativadas ‘reactiva’ e estas células começam a produzir terminações nervosas livres que produtoras de dor.

Este estágio “reativo” não é a inflamação propriamente dita, como nenhuma inflamação no tendão dessas células está presente em qualquer fase. A boa notícia é que, na fase inicial, estas células ativadas e reativas não necessariamente ainda mudou a estrutura do colágeno do tendão. Se a carga for removida, as células activadas se recuperam e não haverá nenhum dano no tendão. No entanto, se a carga não for removida, em seguida, as células irão lançar um processo de degradação de colagénio.

Se olhássemos para um tendão microscopicamente nesta fase, veremos que um monte de células do tendão foi “ativado”. Como a carga não foi removida, as células, então, irão começar uma mudança neste tendão. O que veríamos em seguida eram as células produzindo proteínas que, então, irão atrair água para tendão. Nós, então, observaríamos um tendão que começou a inchar. Isso levaria meses para acontecer. A água do tendão, então, irá afetar a estrutura do colagénio deste tendão. O colágeno iria começar a tornar-se desorganizado e ondulado. Em seguida, “bolsas” de quase nada no tendão. Os pesquisadores chamam isso de efeito ‘queijo suíço’. Para estas bolsas, os vasos sanguíneos começariam a crescer. Temos agora uma matriz de tendão desorganizado e em um processo degenerativo.

Se a carga for removida nesta fase, em seguida, as células activadas ficariam quietas. No entanto, a degeneração do tendão permaneceria.

Em primeiro lugar, para recuperarmos o tendão, teremos que “limpar” de sobrecarga, para termos um tendão forte novamente. O foco degenerado provavelmente irá ainda estar presente para isso necessitaríamos reforçar o tendão saudável remanescente. Isto é feito por um processo muito gradual, mas consistente. Será necessário iniciar com exercícios isométricos (mini-agachamento com 1 perna, leg press com 1 perna, por exemplo). Estes exercícios podem ser desconfortáveis, mas, desde que o tendão não reaja nas próximas 24-48 horas, a carga pode ser progredida. Isto será feito diariamente, às vezes, algumas vezes por dia.

A progressão lógica a partir destes exercícios isometrics é em seguida, adicionar lentamente movimentos concêntrico-excêntrico e depois, gradualmente, aumentar a profundidade do movimento. Uma vez feito isso, as repetições e os pesos serão acrescentados. Cada uma destas “progressões” pode durar semanas. Então, avançaremos com a incorporação de movimentos baseados em velocidade, por exemplo, agachamentos e afundo mais rápidos. Então, progredimos para exercícios mais dinâmicos tipo ‘elástico’, tais como saltos e cordas.

ATIVAÇÃO DO MÚSCULO GLÚTEO DURANTE EXERCÍCIOS TERAPÊUTICOS

•22/02/2010 • Deixe um comentário

A fraqueza da musculatura dos glúteos (máximo e médio) tem sido associada com várias lesões da extremidade inferior, incluindo síndrome fêmuro-patelar dolorosa, síndrome do trato íliotibial,  lesão do ligamento cruzado anterior e instabilidade crônica do tornozelo. A fraqueza do glúteo médio e máximo pode contribuir para a lesão da extremidade inferior pela influência dos padrões de carga na articulação e controle do membro inferior. Um exemplo de um pobre controle da extremidade inferior é a dinâmica do joelho valgo, na qual resulta de uma rotação interna do quadril juntamente com uma adução. Melhorando a ativação e a força dos glúteos pode ser um aspecto crítico de reabilitação e um programa de prevenção de lesão.

EXERCÍCIOS PARA O EXERCÍCIO DO GLÚTEO MÉDIO (foto 1) E GLÚTEO MÁXIMO (foto 2 e 3):

 

Fonte: Journal of Orthopaedic  and Sports Physical Therapy 2009; 39:7

TRATAMENTO DAS ENTORSE RECIDIVANTE (CRÔNICAS) DE TORNOZELO

•11/07/2009 • Deixe um comentário

tornozeloAs entorses recorrentes ou recidivantes, são entorses crônicos de tornozelo e são frequentemente comuns, tanto no meio esportivo quanto na população sedentária ou caseira. Isto se deve ao fato da lesão que ocorre nos ligamentos laterais do tornozelo, os mais comumentes lesados, estarem insuficientes para estabilizar o tornozelo. Estes entorses ocorrem durante as atividades diárias e durante as práticas esportivas repetitivamente por alguns movimentos bruscos ou não, tornando em casos mais graves, torcer o tornozelo apenas no fato de andar de costas ou andar em um terreno irregular como em um campo. A origem das entorses recidivantes do tornozelo, se dá pelo fato de um não tratamento da lesão, um diagnóstico insuficiente ou um tratamento incompleto.

O tratamento das entorses crônicas ou recidivante, se consistes em utilizar técnicas de cinesioterapia para reequilíbrio muscular do membro inferior,técnicas proprioceptivas, manipulativas (osteopatia) das estruturas do pé e tornozelo, tíbia e fíbula, eletroterapia, cicatrização dos ligamentos laterais do tornozelo e também a hidroteapia.

Nosso serviço se encontra na Av. Higienópolis, 2554, Londrina-PR. fone: (43) 3336.5454

Rodolfo Parreira – Fisioterapeuta

Acupuntura supera medicina comum em pacientens com lombalgia

•12/05/2009 • Deixe um comentário
12/05/09 -Um estudo que avaliou a eficácia da acupuntura para tratamento de dor nas costas concluiu que ela não consegue ser melhor do que uma forma falsa desse tratamento, na qual as pessoas são submetidas apenas a picadas superficiais em pontos aleatórios do corpo. O trabalho, porém, trouxe uma revelação surpreendente: as duas formas de acupuntura, a verdadeira e a simulada, parecem ser mais eficazes do que o “atendimento usual” que pacientes de lombalgia costumam receber. Os resultados do teste clínico estão na edição de ontem da revista “Archives of Internal Medicine”, da Associação Médica Americana. Com 638 voluntários, é um dos maiores ensaios já feitos para testar se a acupuntura funciona para valer.fonte:
folha on-line

acupuntura

fonte: folha on-line

Como trato tendinite patelar do joelho?

•04/05/2009 • 12 Comentários

tendinite-patelar04/05/09 – A tendinite patelar ocorre devido à sobrecarga imposta no joelho principalmente em atividades de salto repetitivo, corridas esse se praticado muito em ladeiras, a tendinite patelar pode ocorrer também devido às alterações biomecânicas como encurtamentos musculares, mais importante da região posterior da coxa, alterações do arco do pé como pé chato, fraqueza do músculo da coxa. Como tratamento fisioterapêutico em estágio inicial realiza-se as correções das alterações biomecânicas com os alongamentos e correção postural, usamos a massagem transversa profunda, que ajuda na resolução do processo inflamatório, utilizamos também a fonoforese ou galvanoterapia (aplicação de antiinflamatório tópico através dos aparelhos), eletroanalgesia. Em um estágio mais tardio, realizamos os exercícios para o reequilíbrio muscular, exercícios isométricos de coxa para fortalecer a estrutura tendinosa patelar. Em alguns casos orientamos a utilização de uma órtese que é a tira infra-patelar durante as atividades esportivas e orientamos quanto as atividades físicas e esportivas posteriores.

Rodolfo Parreira

Injeção de célula-tronco poderá ajudar tratamento de fraturas e artrite, indica estudo

•30/04/2009 • Deixe um comentário

ctronco106/04/09 – O tratamento de ossos e articulações do corpo pode estar próximo de ser feito por meio de injeções de células-tronco, de acordo com uma pesquisa feita na Grã-Bretanha.

A equipe de pesquisadores da Universidade de Keele afirma que vem testando células-tronco que podem ser controladas com magnetos. O objetivo é tratar pacientes com fraturas ou doenças como artrite.

Os pesquisadores usam as próprias células-tronco do paciente, coletadas da medula óssea. Essas células são tratadas em laboratório onde recebem um revestimento de pequenas partículas magnéticas. Campos magnéticos moveriam então as células pelo corpo até o local desejado e as acionaria, sem necessidade de drogas.

“O objetivo é reparar a cartilagem e o osso. Conseguimos construir ossos novos em camundongos, experimentaremos agora em gansos”, disse um dos responsáveis pela pesquisa, Al Haj.

“Devemos estar testando em seres humanos dentro de cinco anos”, diz ele.

Fonte: BBC Brasil

Exercitar-se na hora do parto reduz chance de cesárea e dor

•28/04/2009 • 3 Comentários

23/04/09 – Praticar exercícios fisioterápicos durante o parto aumenta a tolerância à dor, reduz o uso de fármacos e diminui o tempo até o nascimento do bebê, conclui um estudo feito no Hospital Universitário da USP. Entre as grávidas que fizeram as atividades, o índice de cesarianas ficou em 11%. A média, na instituição, é de 20%.

Na pesquisa, foram avaliadas 132 gestantes do primeiro filho, com gravidez a termo: 70 foram acompanhadas por fisioterapeuta e fizeram os exercícios preconizados no trabalho de parto e outras 62 tiveram acompanhamento obstétrico normal, sem os exercícios. As gestantes do estudo foram orientadas a ficar em várias posições, fazer movimentos articulares e pélvicos, relaxamento do períneo e coordenação do diafragma. A fisioterapeuta Eliane Bio, autora do estudo, diz que, além da redução do número de cesáreas, os exercícios diminuíram a dor e a duração do trabalho de parto -de 11 para 5 horas. “Nenhuma parturiente do nosso grupo precisou de analgésico.” No grupo controle, 62% usaram drogas de analgesia.

No Brasil, exercícios no trabalho de parto estão restritos aos poucos centros médicos que incentivam o parto normal, mas, em países como a Inglaterra e a Alemanha, vigoram há mais de 40 anos. Na França, toda grávida é orientada a fazer ao menos 12 consultas com o fisioterapeuta no pré-natal.

exercicio-gineco

Fonte: Folha on-line